sábado, 1 de setembro de 2007

Mephisto


Felina. Seus olhos brilhavam alegres ao ver as fotos de que ouvira falar tanto. Sequer percebia o que se passava ao redor. O cachorro olhando pela janela. O disco que tocava um antigo musical. Ele a admirando em silêncio. Era uma criança que acabara de ganhar um brinquedo novo e se deliciava à exaustão na pesquisa de todos os seus recursos.

No fundo do quarto dois olhos caminhavam silenciosamente. Escorregavam entre os móveis, paravam embaixo da cama. Calmos, não imaginavam o que se passava na sala. Adormeciam.

Acabavam de chegar de uma frustrada ida ao cinema. Resolveram voltar para casa. Rever fotos. Para ele, uma forma de lembrar tempos mais felizes. Para ela, um jeito sutil de conhecê-lo melhor. Ela virava as páginas do álbum compassadamente. Às vezes parava e conversava um pouco. Não queria dar a impressão de estar interessada demais.

O volume da música acordou Mephisto, fazendo-o sair de debaixo da cama e caminhar em direção à escada. Desceu sonolentamente. Olhos embaçados de quem despertou no meio de um sonho.

A conversa tomou rumos insensatos. Não importava o assunto. Conversar não era importante. Contemplação. Ele resistia em não parar tudo e , simplesmente, admirar o seu olhar. Esquecia a música . Voltava às fotos. Preferia que a relação fosse menos formal. Se diziam a mesma árvore, mas seus galhos nunca tinham se tocado.

Mephisto olhou pela fresta da porta. Viu os dois parados. Não entendeu nada. Ou, talvez, tenha entendido tudo. Não entrou. Arrepiou-se ao ver o brilho felino dos olhos dela. Sentiu-se preso àquele olhar. Menina, ainda um pouco mais que isso.

A sombra do gato passou pela sala. Ela perguntou o que era. Ele explicou. Pensou em ir buscá-lo. Desistiu. Não era o momento de dividí-la com ninguém. Os olhos dela brilharam mais forte. Sensação. Sem palavras a conversa era melhor.

5 comentários:

malmal disse...

tenho gostado de descobrir ao que se refere suas insnidades , rsrrs
e mais de descobrir que escreves e mais descreves muito bem, fica sempre a sensação de estar participando, como uma mosquinhas da cena td..

bijim de sabado

malmal

Lou Mello disse...

Às vezes da vontade de ser um gato. Mas o melhor é ser o dono do álbum. Né não?

Taty disse...

Posso apresentar o Mephisto pra Nala?

Fábio Adiron disse...

Lou

O melhor é ter um álbum...cheio de lembranças

Vilma disse...

Mephisto, quanto melanina apenas pra exibir os olhos verdes como binóculos idesejáveis naquele momento.