sábado, 1 de setembro de 2007

Sensualidade, erotismo e pornografia


Não imagine que num blog insano você vá encontrar a semântica ou a etimologia desses termos. Não sou linguísta e, mesmo que fosse, isso seria muito chato. Nesse espaço eu quero que você se divirta. Mas gostaria deixar exemplos da mais pura sensualidade e daquilo que eu entendo por erotismo (pornografia, se for do seu interesse, é fácil de achar pela Internet ou na banca de jornais da esquina).


Uma, ou melhor duas, são cinematográficas : de um lado o strip tease mais sensual do cinema, Gilda (Rita Hayworth) cantando "Put the blame on mame" e tirando toda a... luva (ah...só uma luva), de outro Cyd Charisse, a circunspecta inspetora Ninotchka Yoschenko, dançando com uma par de meias de seda, em Silk Stockings.


Outra pérola do erotismo é um poema de Drummond (que também escreveu um livro de poemas eróticos que, na minha opinião, salvo dois ou três poemas, é muito chato e vulgar), num texto que diz tudo sem dizer absolutamente nada, aliás recomendo que você não procure o significado das palavras, entendê-las, nesse caso, desfaz todo o encanto que é imaginar-se entrelaçando iambos ou rompendo a porta pentâmetra. O poema, chamado "A paixão medida" é, na verdade, uma declaração de paixão desmedida.

A paixão medida

Trocaica te amei, com ternura dáctila
e gesto espondeu.
Teus iambos aos meus com força entrelacei.

Em dia alcmânico, o instinto ropálico
rompeu, leonino,
a porta pentâmetra.

Gemido trilongo entre breves murmúrios.
E que mais, e que mais, no crepúsculo ecóico,
senão a quebrada lembrança
de latina, de grega, inumerável delícia?

3 comentários:

Taty disse...

Estou com vontade de entrar numa loja de lingeries ( perto de casa há várias )....comprar um conjunto bem sensual, chegar em casa ou num outro lugar, colocar uma música bem sensual ( tenho várias na minha coletânea do Erotic Lounge) , atender a porta, ver meu convidado entrar, servir uma taça de vinho ou champagne e começar a fazer um lindo streap-tease.
Ah! Quanto a luz ambiente, não importa...o que importa é o meu ato e a expressão estampada que verei no rosto do meu convidado.
E os finalmentes, só conto ao pé do ouvido.

Vilma disse...

Não entendi as palavras, mas, pude ouvir os gemidos...

Lully disse...

Imortal...
Gilda é imortal e o "strip" das luvas, invejável!
Há quem tente a imitação e, melhor, ainda atenta...rs
O poema é sonoro, mágico, sedutor!